E a solidão permanece… - 16.09.16

O sentimento de estar só, mesmo cercado de pessoas, com um sem número de aparatos tecnológicos para diminuir as distâncias estão sendo associados a um conjunto de doenças e sintomas que chama a atenção de estudiosos na área da saúde. No século XIX, o sociólogo Émile Durkheim teorizou que quanto maior o laço social em determinada sociedade menor é a taxa de mortalidade, ou seja, quanto menos relações tivermos maiores os riscos de suicídio. Parece que esta teoria continua atual, pois a solidão está muito presente na vida das pessoas de todas as idades.

O número de suicídios entre jovens aumentou em percentual de 30% no mundo e os idosos também estão mais sozinhos em função do envelhecimento tardio e consequente perda de seus parceiros. Por isso, sugerimos a leitura desse texto sobre o tema e a busca de novas soluções para o assunto: Estamos vivendo uma epidemia de solidão?
falar-e-a-melhor-solucaoEm defesa da vida e do bem-estar das pessoas, a sociedade se engaja em campanhas para sensibilização e alerta de reconhecimento e tratamento sobre os diversos fatores de risco que podem, em algum momento, fazerem as pessoas tirarem suas próprias vidas. Todos os anos são registrados 10 mil suicídios no Brasil e mais de 1 milhão no mundo, então na perspectiva de alertar as pessoas sobre os riscos do suicídio e sensibilizar a população sobre o tema de valorização da vida. O CVV (Centro de Valorização da Vida), CFM (Conselho Federal de Medicina) e ABP (Associação Brasileira de Psiquiatria), iniciaram a campanha do Setembro Amarelo em 2014. Caso queira se informar melhor sobre isso, acesse: Campanha de conscientização sobre a prevenção do suicídio

A solidão, sozinha, não explica o cometimento de um suicídio, porém pode ser um componente importante para levar a ele. Por isso, o olhar atento da família sobre seus familiares idosos podem fazer toda a diferença. A presença da família, passeios, atividades de lazer e lúdicas (dança, ginástica, carteado, trabalhos manuais, etc.), bem como uma boa relação entre as diferentes gerações e a convivência com animais domésticos, podem ser formas de diminuir sentimentos de solidão e de combater o isolamento.